Carlos Martins: Portugal pode falhar metas da Economia Circular

“Vamos ter metas exigentes pela frente [com a Economia Circular]. Está Portugal capaz de as cumprir?” A questão foi lançada esta manhã por Carlos Martins, secretário de Estado do Ambiente, no 10º Fórum Nacional de Resíduos, que está decorrer no Sana Malhoa Hotel, em Lisboa.

 

A resposta foi dada pelo próprio: “Não são metas fáceis. Algumas estão mesmo acima do que somos capazes de cumprir, tendo em conta as infraestruturas já existentes e que não podem ser ignoradas nesta equação, e a mudança de comportamentos que está subjacente a este novo paradigma”.

 

No painel de abertura do Fórum Nacional de Resíduos, com o tema: O impacto da Economia Circular no Sector Nacional dos Resíduos, Carlos Martins observou que a prevenção de produção de resíduos e o ecodesign são estruturantes para o cumprimento dos objetivos nacionais, mas “estão de fora da esfera das entidades gestoras, e estão do lado da economia”.

 

O secretário de Estado deixou ainda um alerta: como o país produz pouco a solução é “sermos muito inovadores”. Também do lado da administração pública terá de operar-se “uma mudança, no sentido de se tornarem agentes facilitares e não o contrário, como se verifica hoje, muitas vezes”.

O 10º Fórum Nacional de Resíduos, organizado pelo jornal Água&Ambiente, decorre hoje e amanhã em Lisboa. 

 

(Ambiente Online)