170 vítimas do surto de legionella já pediram aconselhamento jurídico

Câmara de Vila Franca de Xira assinou protocolo com delegação da Ordem dos Advogados

21.01.2015

Cento e setenta vítimas do surto de legionella, que em Novembro de 2014 atingiu as freguesias do sul de Vila Franca de Xira, já pediram aconselhamento jurídico nas autarquias para exigir compensações pelos danos causados. Os pedidos foram apresentados às juntas de freguesia em Alverca, Póvoa de Santa Iria, Forte da Casa e Vialonga. Só na Câmara Municipal de Vila Franca de Xira foram registados 30 dos 170 pedidos, apurou o Ambiente Online.

 

Ontem, terça-feira, 20 de Janeiro, a Câmara de Vila Franca de Xira e a Delegação do Concelho de Vila Franca de Xira da Ordem dos Advogados (OA) assinaram um protocolo que visa, durante um período de três anos, “facilitar o acesso à justiça por parte dos cidadãos afectados, disponibilizando encaminhamento, consulta jurídica e uma bolsa de advogados disponíveis para prosseguirem com eventuais processos judiciais”.

 

“Tendo sido manifestada por algumas das vítimas e familiares a vontade de reagir judicialmente junto dos responsáveis pelo foco de contaminação, o município, mantendo a disponibilidade para os acompanhar e apoiar, promoveu o estabelecimento de um protocolo que permita ir de encontro à pretensão dos afectados”, explica a autarquia.

 

O surto de legionella afectou 375 pessoas e provocou 12 mortes. As análises conduzidas pelo Instituto Nacional de Saúde Dr. Ricardo Jorge confirmaram que o isolamento por cultura, de uma estirpe de legionella pneumophila serogrupo 1, em amostras de água da torres de arrefecimento da ADP Fertilizantes, apresentava "um perfil molecular semelhante ao das estirpes clínicas, obtidas em doentes com pneumonia devida, comprovadamente, a doença dos Legionários". O caso está a ser investigado e sujeito a segredo de justiça.

 

Ana Santiago

TAGS: legionella , Vila Franca de Xira , ADP , saúde , ambiente
Vai gostar de ver
VOLTAR