América Latina precisa de mais 79 % de energia até 2030

06.11.2018

A América Latina necessitará de um fornecimento de energia superior em 79% em 2030, quando comparada com a consumida em 2017. São revelações de Gonzalo de Castro, Senior Director do CAF – Banco de Desenvolvimento da América Latina, uma ONG dedicada à região, em encontro promovido pela Canning House, em Londres e citadas pelo site Market Views.


Castro afirmou que a a América Latina espera um crescimento económico de 2,8% em 2019 – o Mundo espera 3,9% - longe da recessão de 0,6% registada em 2016. Este detalhe é importante por que a prosperidade é fundamental para financiar investimentos na área da energia e esse funcionamento é assegurado localmente por governos regionais, empresas e investidores internacionais.


O gestor revelou ainda que o uso de renováveis já está muito avançado, 54% da produção de eletricidade é hídrica – quando no Mundo é 16% - e a componente solar, térmica e eólica pesa 8% na produção enquanto no Mundo ainda está nos 6%.


Por contraste, o muito poluente carvão, matéria escassa na América Latina, apenas contribui com 1,2% para a produção de eletricidade. No entanto o petróleo – a região é responsável por 20% da sua produção mundial – tem um ainda um papel relevante como fonte energética.


Gonzalo Castro fez notar uma crescente viragem para as renováveis depois de México, Venezuela e petrolíferas inglesas e norte americanas terem explorado intensa e extensivamente petróleo na América Latina. O gestor avança com a estimativa de que a potencial de produção solar é de cerca de 54 mil Terawatt/hora por ano, um valor superior em 36 vezes ao consumo atual total de energia na região.


Foto: Barragem principal do Itaipu, Brasil

VOLTAR