ETAR’s são peça importante para combater bactérias resistentes aos antibióticos (COM VÍDEO)

Equipa do Professor Paulo Martins da Costa isolou quatro estirpes de 'Escherichia coli' no Rio Ave

13.05.2016

O adequado tratamento dos efluentes nas Estações de Tratamento de Águas Residuais (ETAR's) é uma peça importante para a resolução da crise das bactérias multiresistentes aos antibióticos, como as que foram detectadas no Rio Ave pela equipa do professor e investigador Paulo Martins da Costa e cuja origem ainda se desconhece.

 

“A ETAR dá uma oportunidade de muitas bactérias poderem trocar entre si genes sendo assim local de cultura ideal para a emergência destes problemas. Coisa que nós até há pouco tempo pensávamos existir só dentro da orla hospitalar”, sublinha Paulo Martins da Costa em declarações ao Ambiente Online.

 

O médico veterinário e professor no Instituto de Ciências Biomédicas Abel Salazar (ICBAS), da Universidade do Porto, explica que “um efluente urbano não é a mesma coisa que um efluente hospitalar, logo, o protocolo de tratamento não pode ser igual nem parecido, tão pouco”, alerta.

 

Para enfrentar os novos riscos o especialista lembra que a legislação portuguesa terá que adequar-se aos novos desafios. “Actualmente o enfoque está na matéria biodegradável que uma ETAR liberta e no total de sólidos suspensos, na turvação da água, ficando de fora um conjunto de ameaças importantes”, sublinha.

 

Paulo Martins da Costa explica que estas bactérias resistem a antibióticos “de última linha”, o que significa que “em determinada altura a medicina deixará de ter capacidade de fazer o tratamento enquanto não se desenvolverem novos antibióticos” para fazer face a estes micro-organismos emergentes e de rápida disseminação no ambiente.

 

Ao actuar preventivamente nas ETAR, incorporando este nível de risco, as águas residuais libertadas para o meio ambiente passarão a ser mais seguras para que possam ser reutilizadas em actividades de lazer ou rega.

 

O responsável falou com o Ambiente Online à saída de uma das últimas reuniões da Comissão de Ambiente, Ordenamento do Territórlio, Descentralização, Poder Local e Habitação, na Assembleia da Repíública, onde foi ouvido a propósito da investigação em que participou e que permitiu identificar quatro diferentes estirpes de bactérias multi-resistentes ['Escherichia coli'].

 

Ana Santiago 

VOLTAR