Colunista Nuno Campilho (Água e Resíduos - Regulação): Mega Estupidez

04.09.2018

Viena ama tanto a sua água, que a mesma é protegida na Constituição. Quando se mudou para Viena, Kimberly Bradley reparou que o seu cabelo ficou mais brilhante e a sua pele mais macia. Não havia manchas de calcário na casa de banho e os locais andavam com garrafas de água de metal e, não, de plástico. Foi quando percebeu, em Viena, há “qualquer coisa” com a água. Ou não...

 

Em Viena, a água da torneira é uma invisível marca de qualidade de vida e há provas que os Vienenses valorizam isso: existem fontes e bebedouros públicos um pouco por todo o lado; um parque temático rodeia uma torre de água “vintage” e, em 1998, foi aberto um passeio pedonal ao longo da principal estrutura adutora de abastecimento à cidade.

 

Viena é, também, a primeira cidade a proteger a sua água para consumo humano, na Constituição (in Monocle, 115, julho/agosto de 2018).

 

Em Portugal também poderia ser assim? Poder, podia, mas não era a mesma coisa. Então, em Portugal, como é que é?

 

Sem prejuízo de a Entidade Reguladora dos Serviços de Águas e Resíduos afirmar – e bem – que a percentagem de água segura, em Portugal Continental, é de 98,69%, um valor considerado de excelência, um organismo PÚBLICO (Direção-Geral da Saúde), decide promover uma campanha com um organismo PRIVADO (Associação Portuguesa dos Industriais de Águas Minerais, Naturais e de Nascente) para apelar ao consumo de água engarrafada??? E logo numa altura em que tanto se discute a presença, nefasta, do plástico, na natureza, um pouco por todo o lado, e se apela, cada vez mais, à utilização de recipientes reutilizáveis, ou mais facilmente recicláveis...

 

Perante isto, o que fizeram os representantes do setor? A APDA, e muito bem, emitiu um incisivo, assertivo e corajoso comunicado – indignado e muito verdadeiro – onde, inclusive, até lembra que essa mesma associação processou, em tempos, os, à altura, SMAS de Oeiras e Amadora, pela divulgação de um anúncio em que se apelava ao consumo de água da torneira, na sua plenitude de confiança. Felizmente, mais importante do que isso, foi o prémio que a entidade recebeu da revista “Água & Ambiente”...

 

Passaram dois meses – de entre eles o inenarrável e silly seasonable mês de agosto – o site da DGS continua a divulgar a campanha “Água - a nova megabebida” e as reações a esse comunicado, foram iguais à reação da tutela, digo, Ministério do Ambiente e ERSAR... “The Silence of the Lambs” (1991), filme de Jonathan Demme, com Anthony Hopkins e Jodie Foster. Comparação meio estúpida? Antes meio estúpida, do que mega estúpida!

 

E, não se esqueçam, bebam muita água... da torneira!

 

Nuno Campilho é licenciado em Relações Internacionais pela Universidade Lusíada e Pós-graduado em Comunicação e Marketing Político e em Ciência Política e Relações Internacionais. Possui ainda o Executive MBA do IESE/AESE. Foi presidente da União das Freguesias de Oeiras e São Julião da Barra, Paço de Arcos e Caxias e consultor especializado em modelos de gestão de serviços públicos de água e saneamento. Foi administrador dos SMAS de Oeiras e Amadora e chefe de gabinete do Ministro do Ambiente Isaltino Morais. Exerceu ainda funções de vogal do Conselho de Gerência da Habitágua, E.M.. É membro da Comissão Especializada de Inovação da APDA e Diretor Delegado dos SIMAS de Oeiras e Amadora.

VOLTAR