Governo pressionado para lançar CESE sobre Renováveis

12.10.2018

“Estamos a meio do Orçamento e não vou falar sobre esses temas”, disse Manuel Caldeira Cabral a respeito do alargamento  da Contribuição Extraordinária para o Setor Energético para as energias renováveis. Falando à margem da Conferência da APREN - Associação das Energias Renováveis, manteve a incógnita sobre este importante dado para a rentabilidade desta indústriaaté à apresentação do Orçamento do Estado (OE). Deste modo Cabral passa, tacitamente, a responsabilidade final no primeiro-ministro, António Costa.

 

A vontade de terminar com isenção da Contribuição no OE deste ano partiu em 2017 do Bloco de Esquerda tendo o PCP apoiado e CDS e PSD votado contra. O PS inicialmente apoiante do alargamento da CESE às Renováveis, recuou no final.

 

Os partidos de esquerda alegam que o setor das renováveis têm vantagens evidentes com preços subsidiados e mercado garantido, pelo que argumentam a justiça da introdução da CESE. Já a APREN – Associação das Energias Renováveis defende que as empresas do setor já estão demasiado taxadas por outras vias.

 

VOLTAR