Leilão de solar garantiu preços médios mais baixos da Europa e bateu recorde do mundo num dos lotes

31.07.2019

O leilão de energia solar fotovoltaica dinamizado por Portugal esta semana garantiu os preços médios mais baixos da Europa e bateu mesmo um recorde do mundo num dos lotes com 14,76 euros por megawatt/hora (MW/h).

 

O valor médio alcançado foi de 20 euros MW/h, menos de metade do preço base de licitação (45 euros MW/h). Dos 64 concorrentes, 13 saíram vencedores. A Iberdrola adjudicou o maior número de lotes e a francesa Akuo ganhou mais potência - 370 MW de um total de 1400 MW que foram a leilão. Foram atribuídos 1.150 MW dos 1.400 disponíveis. Destes, 800 MW atribuídos têm tarifa fixa e os restantes 300 MW terão tarifas de mercado.

 

A diferença entre o preço do mercado e o preço a que vamos pagar esta eletricidade vai toda para o sistema elétrico nacional, o que se refletirá na redução do preço da eletricidade que pagamos em casa. Segundo o Secretário de Estado da Energia, João Galamba, esse valor ascenderá a 600 milhões de euros, em 15 anos.

 

O Ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Pedro Matos Fernandes, destacou ainda a forte procura. "Foram ultrapassadas as melhores expetativas, tanto na concorrência como no preço. Este leilão tinha tudo para correr bem. Estamos a falar de um dos países da Europa, em conjunto com a Turquia, com maior potencial para produzir eletricidade a partir do sol".

 

Para o Governante esta iniciativa é essencial para cumprir as metas de descarbonização. "Este leilão marca muito bem esta vontade de uma transição energética justa porque produzir eletricidade a partir de renováveis é mais barato do que produzir a partir de combustíveis fósseis", destacou.

VOLTAR