Ligação do offshore eólico de Viana do Castelo gera polémica (PRIMEIRA MÃO)

#Energia (jornal Água&Ambiente) conta tudo na edição de Março

22.02.2016

O plano de investimentos da REN para os próximos 10 anos analisado pelo conselho consultivo da Entidade Reguladora dos Serviços Energéticos (ERSE) originou forte polémica, soube o Ambiente Online. Leia a reportagem completa sobre o assunto na edição de Março do #Energia (jornal Água&Ambiente).

 

Um dos pontos que suscitou maior contestação prende-se com o valor da ligação do projecto de aproveitamento eólico offshore na zona piloto de Viana do Castelo ao continente que orça os 48 milhões de euros, valor considerado muito alto por alguns elementos que compõem o conselho consultivo.

 

O valor é considerado muito elevado sobretudo quando comparado com o custo da interligação entre Ponte de Lima e a Galiza, que orça em 30 milhões de euros e possibilitará o transporte de mais 700 MW de electricidade em alta tensão. A ligação a terra por cabo da plataforma eólica em causa, numa extensão de cerca de 15 quilómetros, permitirá transportar apenas para já 25 MW, embora tenha capacidade para 80 MW.   

 

Alguns elementos do conselho consultivo da ERSE alertam para o impacto que o investimento pode vir a ter na tarifa paga pelo consumidor.

 

Nos próximos dias a ERSE irá publicar os vários pareceres das entidades que se pronunciaram sobre o plano de investimentos da REN no âmbito da consulta pública que terminou em 13 de Janeiro e revelar o parecer do conselho consultivo. Independentemente do teor deste documento caberá ao Governo a decisão final. 

TAGS: #Energia , jornal Água&Ambiente , REN , offshore eólico , Viana do Castelo , ERSE
Vai gostar de ver
VOLTAR