Maiambiente reforça frota com veículos eléctricos e GNC

13.09.2018

A Câmara Municipal da Maia e a Maiambiente apresentaram as novas viaturas ligeiras elétricas e pesadas movidas a gás natural utilizadas pela empresa de recolha de resíduos.  A utilização destas viaturas contribui ainda para a redução dos custos energéticos, nomeadamente com combustíveis, e consequentemente para uma maior sustentabilidade financeira.


Para o Presidente da Maiambiente, Paulo Ramalho, “este é o primeiro passo para cumprir o objetivo de, no futuro, conseguir substituir toda a frota por veículos mais sustentáveis com recurso a combustíveis alternativos”. Acrescentando, “para além do impacto ambiental destas medidas, também se refletirá num impacto financeiro importante para a sustentabilidade da empresa”, conclui. 


As viaturas movidas a energia elétrica são do tipo ligeiro comercial e destinam-se, essencialmente, aos serviços de fiscalização e manutenção. As vantagens desta aposta são evidentes: ZERO emissões de CO2 e ZERO ruído. Segundo a empresa, a redução dos custos associados ao consumo de energia, e tendo em conta os dados já apurados, são superiores a 70%.


Já as viaturas movidas a GNC são do tipo pesado, e destinam-se à recolha seletiva porta a porta de resíduos urbanos, preferencialmente orientadas para os fluxos de materiais recicláveis, como o papel, as embalagens e o vidro. Para a empresa é seguro que nos casos das viaturas GNC, existam ganhos relevantes ao nível da redução das emissões poluentes, nomeadamente de partículas, e também na redução do ruido. “Tendo em conta os atuais preços por litro do gasóleo e do gás, bem como a redução dos consumos médios em litros/100km, também existirão poupanças significativas ao nível financeiro”.


O investimento, num total de 216 mil euros, contou com o cofinanciamento do Fundo Ambiental, no caso das viaturas elétricas, e do POSEUR, no caso das viaturas movidas a gás natural. No caso das viaturas elétricas, a candidatura foi feita pela Maiambiente num investimento global de 64 mil euros com uma comparticipação de 25%. No caso das duas viaturas movidas a gás natural comprimido (GNC), foram adquiridas pela Lipor, e oferecidas ao município da Maia. O custo unitário estimado foi de 152 mil euros, tendo o investimento recebido uma compartição do programa POSEUR.

 

 

VOLTAR