Portugal rumo a Brasília 2018 - Benedito Braga

24.11.2017

O presidente do Conselho Mundial da Água, Benedito Braga, antecipa uma presença forte de países de expressão portuguesa no 8º Fórum Mundial da Água (FMA). Este evento de referência na área da água realiza-se em Brasília, entre 18 e 23 de março de 2018, sendo a primeira vez que tem lugar no hemisfério sul e num país onde se fala português.


“Portugal e os países de língua portuguesa estão bastante envolvidos” no FMA, observou Benedito Braga em entrevista ao Água&Ambiente na Hora. “Os ministros dos países da CPLP [Comunidade de Países de Língua Portuguesa] estão comprometidos em discutir o tema da água no âmbito de um processo de cooperação”, adiantou, até porque “a água tem implicações noutros setores do desenvolvimento humano, como a saúde ou a alimentação”.

Recorde-se que, no âmbito do projeto “Portugal rumo a Brasília 2018”, está a ser preparada, em parceria com o Brasil, uma iniciativa virada para a CPLP, em que serão discutidos os principais desafios na área da água, em língua portuguesa.

Por outro lado, “a realização [do evento] no hemisfério sul dá um sinal ao mundo de que o Fórum Mundial da Água também tem de se preocupar com os países em desenvolvimento”, destaca ainda Benedito Braga.
 
ENVOLVER OS MUNICÍPIOS

A 8ª edição do Fórum Mundial da Água deverá ainda contar com uma participação relevante de municípios, que pela primeira vez, integram o Processo Político. “Estamos a trabalhar com associações internacionais para termos uma participação massiva de prefeitos no Fórum”, adiantou Benedito Braga. Só no Brasil, há cerca de 5600 municípios que estão a ser contactados para participar no evento. “O município é responsável pelo serviço de água e saneamento”, justifica o presidente do Conselho Mundial da Água. “Não podemos discutir água e saneamento sem os envolver”.


Para chegar aos cidadãos, durante a semana do Fórum, estará a funcionar a “Vila Cidadã”, um espaço onde o público em geral vai poder participar em sessões de teatro e cinema ou ver exposições de casos de sucesso no tratamento e reutilização de água, entre outras iniciativas. Será ainda uma oportunidade para “ouvir as ideias dos cidadãos sobre como resolver os problemas de água nas suas regiões”, explicou ainda Benedito Braga.
 
QUESTÕES-CHAVE

“Compartilhando Água” é o lema que inspira esta edição do evento e entre “as questões-chave” que serão abordadas no 8º FMA estão os desafios trazidos pela urbanização e o rápido crescimento das cidades. “Vai haver cada vez mais gente a morar nas cidades no futuro”, antecipa Benedito Braga, pelo que “há necessidade de termos uma gestão integrada da água em ambiente urbano”, de forma articulada com outros setores como a gestão de resíduos, a habitação ou os transportes. 

O presidente do Conselho Mundial da Água realça ainda o “papel fundamental” que a água desempenha na adaptação às alterações climáticas, destacando também a importância que a Europa está a conferir ao tema, no âmbito do Processo Regional liderado por Portugal.  

O financiamento é outro tema decisivo na próxima edição do Fórum. “Queremos saber como os países mais pobres podem ter acesso a financiamento para desenvolver o seu potencial de geração de energia hidroelétrica e para melhorar a gestão da água e saneamento”, concretiza.

Benedito Braga esteve em Portugal para participar no ENEG 2017 – O Encontro Nacional de Entidades Gestoras de Água e Saneamento, que decorre até hoje. O Conselho Mundial da Água é responsável pela organização, de três em três anos, do Fórum Mundial da Água, juntamente com o país anfitrião.

 

Foto: @WorldWaterForum8

VOLTAR