Reciclagem pode dar emprego a 5 mil nos próximos anos

18.05.2020

A reciclagem pode permitir, nos próximos anos, a criação de mais cinco mil postos de trabalho diretos e permanentes no setor dos resíduos. O cálculo é da associação ambientalista ZERO, que acredita que a reciclagem conseguirá ajudar o país a ultrapassar a crise económica e social que se avizinha.

 

Entre as atividades de reciclagem que mais podem ajudar a atingir este objetivo constam a recolha seletiva e triagem de resíduos urbanos, que poderão gerar cerca de 2500 empregos. O tratamento biológico de resíduos urbanos pode dar trabalho a mais 1000 e a reciclagem de resíduos de construção e demolição (RCD) a outros 500.

 

A associação ambientalista estima que 700 pessoas possam vir a trabalhar na recolha e reciclagem de resíduos de equipamentos elétricos e eletrónicos (REEE) e que a indústria de reciclagem de plástico pode dar emprego a outros 400.

 

Já a recolha seletiva e reciclagem de resíduos de comércio e serviços perspetiva-se como oportunidade de futuro para 300 pessoas, tal como a reciclagem das lamas das ETAR domésticas, que poderá ocupar mais 100 pessoas.

 

Para calcular o potencial de postos de trabalho a criar a ZERO contactou diversas empresas e entidades ligadas à recolha e tratamento de resíduos e avaliou a quantidade de resíduos que poderiam ser reciclados por cada fluxo de resíduos.

 

“Estes cálculos foram feitos com base no pressuposto de que Portugal irá cumprir as metas de reciclagem comunitárias para vários fluxos de resíduos e que, simultaneamente, a legislação existente para este setor passará a ser cumprida”, sublinha a associação ambientalista em comunicado.

VOLTAR