Resíduos orgânicos e o desperdício alimentar

07.02.2020

O colunista do portal Ambiente Online, Paulo Rodrigues, especialista em resíduos/recolha, considera que os concursos abertos pelo PO SEUR para a gestão de biorresíduos e as operações que foram financiadas “pouco ou nada” investiram na prevenção e combate ao desperdício alimentar.

 

Para Paulo Rodrigues, “uma estratégia integrada e bem-sucedida para o fluxo dos Orgânicos não pode nunca estar dissociada de estratégias claras e inequívocas de Prevenção de Resíduos e Combate ao Desperdício Alimentar assim como, também não deverá estar dissociada, do Tratamento e da Valorização do Resíduo como um Recurso”.

 

O colunista refere ainda que uma estratégia para os resíduos orgânicos deve considerar um investimento a montante na prevenção, permitindo “de forma efetiva reduzir custos de recolha, através de uma redução do resíduo produzido no produtor e evitar os custos e impactos ambientais associados à produção desse bem (alimentar)”, caso contrário será “sempre, inevitavelmente uma estratégia deficitária”.

 

Leia tudo em: Paulo Rodrigues (Resíduos - Recolha): Resíduos Orgânicos e o Desperdício Alimentar

VOLTAR