Debate sobre exploração agrícola intensiva no Sudoeste Alentejano divide parlamento

02.06.2021

A petição "O Parque Natural do Sudoeste Alentejano e Costa Vicentina não aguenta mais agricultura intensiva", da iniciativa do Juntos Pelo Sudoeste, e as iniciativas legislativas do PAN, PCP, PEV e BE que pedem a regulação e "um debate sério" precisamente sobre a exploração agrícola intensiva nesta zona foram debatidas ontem, dia 1 de junho, no parlamento.


A petição pretende a "revogação imediata da resolução do Conselho de Ministros n.º 179/2019", que consideram ser “uma resposta descarada às exigências e pressões do 'lobby' da indústria agrícola intensiva, desafiando que sejam encontradas soluções às preocupações reais da população e de outros setores socioeconómicos fundamentais". Esta foi subscrita por mais de seis mil pessoas e foi apoiada com projetos de lei e de resolução do PAN, do PCP, de Os Verdes e do BE.


Segundo o deputado de Os Verdes José Luís Ferreira, com a resolução n.º 179 do Governo, o ministro do Ambiente “ficou praticamente isolado” e agravou o problema “porque veio alargar a área coberta de estufas”, aumentando o “descalabro que se está a verificar” no PNSACV.


Para João Dias, do PCP, o Governo “deveria ter estudado o estado de conservação das atuais áreas protegidas” e “avaliado as incidências ambientais dos futuros projetos”.


Bebiana Cunha, do PAN, alertou que o PNSACV “não aguenta mais agricultura intensiva”: “Lamentamos profundamente o constante encolher de ombros do Governo sobre este problema”, disse, considerando que “a crise sanitária fez finalmente admitir o drama destas culturas intensivas”.


Para Ricardo Vicente, do BE, “esta agricultura desregulada” incentivou “modelos de produção agrícola que são contrários ao interesse público em especial em época de alterações climáticas”, defendendo um aumento da fiscalização na região e o reforço dos meios humanos, técnicos e financeiros, e que se insista na realização de avaliações impacto ambiental na instalação de novas explorações agrícolas. Defendeu ainda um programa de transição ecológica para todo o Perímetro de Rega do Mira, “com abandono da monocultura e baseado em modelos de trabalho estáveis sem recurso à mediação, que é hoje um negócio para o tráfico de pessoas”, e também “com a perspetiva de que quem não cumpre não pode receber apoios públicos”.


Já o PSD e o CDS-PP afastaram-se das razões dos peticionários, assim como o PS, que no entanto se disponibilizou a fazer com o PAN “um caminho” na especialidade.


O socialista Pedro do Carmo, antigo autarca de Odemira, acrescentou que a área total do Parque Natural é de 98 mil hectares e o Perímetro de Rega do Mira ocupa 12 mil hectares, “dos quais 7.500 a serem irrigados e cultivados e cerca de 1.500 de agricultura em regime coberto ou seja de estufas”: “Basicamente, o que se propõe é que se apresente um ‘não’ como solução de futuro para aquelas comunidades, sem apresentar alternativas para quem tem de viver nos 365 dias do ano, além das visitas esporádicas e das férias de verão. Melhorar nunca é proibir sem alternativas sustentáveis e sociais, sem pensar nas pessoas que lá vivem e trabalham”, considerou.


Para André Ventura, do Chega, o Governo “não está a cumprir” a legislação relativa ao PNSACV em matéria de sobre-exploração de recursos e da fiscalização devida nesta área e criticou a esquerda que se veio queixar “do financiamento das práticas intensivas agrícolas e das condições de habitabilidade, mas quando chega o Orçamento do Estado (OE), não impõe isso ao PS” para aprovarem o Orçamento.


Na segunda-feira, a Liga para a Proteção da Natureza (LPN) denunciou junto da Comissão Europeia a destruição total de cinco charcos temporários mediterrânicos, habitats protegidos e prioritários pela agricultura intensiva que se realiza no sudoeste alentejano, especialmente no concelho de Odemira.

TAGS: Sudoeste alentejano , agrocultura intensiva , LPN , Costa Vicentina
Vai gostar de ver
VOLTAR