Portugal é o sétimo país europeu que mais utiliza energias renováveis

02.11.2021

Em 2019, Portugal foi o sétimo país da UE com a percentagem mais alta de energia proveniente de fontes renováveis a pesar no consumo final bruto, com valores na ordem dos 30%, apenas superado pela Suécia, Finlândia, Letónia, Dinamarca, Áustria e Estónia.

 

Esta é uma das conclusões retiradas do relatório do Estado da União da Energia para 2021, um balanço sobre os progressos da UE na realização da transição de energia limpa, quase dois anos após o lançamento do Pacto Ecológico Europeu e numa altura de escalada dos preços da luz, que ameaça exacerbar a pobreza energética e causar dificuldades no pagamento das contas de aquecimento neste outono e inverno.

 

A média comunitária desta quota das fontes de energia renováveis no cabaz energético global da UE fixou-se em, pelo menos, 22%, embora alguns Estados-membros estivessem em risco de não cumprir as suas metas nacionais.

 

Recorde-se que o Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050 nacional impõe como meta uma trajetória de redução de emissões entre 45% e 55% até 2030, e entre 65% e 75% até 2040, em relação a 2005.

 

O relatório indica também que, até agora, "nove Estados-membros da UE já eliminaram progressivamente o carvão, 13 outros comprometeram-se com uma data de eliminação progressiva e quatro estão a considerar possíveis calendários", assinala Bruxelas.

 

Portugal, avança o relatório, é um dos Estados-Membros que planeia ultrapassar as medidas conjuntas e alocar, pelo menos, 37% da dotação orçamental à transição climática, fazendo parte do grupo de 13 países que visa alcançar a neutralidade carbónica até 2050.

  

Emissões e GEE caem 10% de 2019 para 2020

 

Comparativamente a 2019, as emissões de gases com efeito de estufa na UE a 27 caíram quase 10% em 2020, uma redução sem precedentes nas emissões devido à pandemia covid-19, que trouxe reduções globais de emissões para 31%, em comparação com 1990", acrescenta a instituição.

 

Energias renováveis ultrapassam pela primeira vez combustíveis fósseis na UE em 2020

 

As energias renováveis foram, em 2020, a principal fonte de energia na União Europeia (UE), ultrapassando pela primeira vez os combustíveis fósseis na produção de eletricidade, revela um relatório hoje divulgado pela Comissão Europeia.

 

Em concreto, "o relatório mostra que as energias renováveis ultrapassaram os combustíveis fósseis como a fonte de energia número um na UE pela primeira vez em 2020, gerando 38% da eletricidade, em comparação com os 37% dos combustíveis fósseis" e com os 25% da energia nuclear, realça o executivo comunitário em nota à imprensa.

 

O documento revela ainda uma diminuição de 1,9% no consumo de energia primária e de 0,6% no consumo final de energia no ano passado, reduções que ficam, porém, acima da trajetória necessária para cumprir os objetivos climáticos da UE para 2020 e 2030.

 

Este menor consumo de energia em geral levou a uma redução ligeira nos subsídios aos combustíveis fósseis, enquanto os subsídios às energias renováveis e à eficiência energética aumentaram em 2020.

 

Resultados ainda não são suficientes para atingir metas do PEC

 

Perante os dados anunciado, a Comissão Europeia alerta que são necessários maiores esforços para cumprir Pacto Ecológico Europeu: "Embora haja uma série de tendências encorajadoras, serão necessários maiores esforços para atingir o objetivo de 2030 de reduzir as emissões líquidas em pelo menos 55% e alcançar a neutralidade climática até 2050", ressalvando também que "os dados terão de ser analisados cuidadosamente no próximo ano para tendências pós-covid-19 a mais longo prazo".

TAGS: PEC , neutralidade carbónica , Roteiro para a Neutralidade Carbónica 2050
Vai gostar de ver
VOLTAR