ERSE publica normas específicas para mercados do gás e da eletricidade

ERSE publica normas específicas para mercados do gás e da eletricidade

Foram esta terça-feira publicadas em Diário da República várias diretivas da ERSE direcionadas para os mercados do gás e da eletricidade. 

Uma delas vem aprovar a metodologia para estimação de perfis de consumo e de injeção na rede elétrica. 

Segundo é esclarecido, "aplicam-se perfis quando os equipamentos de medição instalados não permitem a desagregação temporal do consumo ou da injeção na rede em linha com o período considerado para apuramento de carteiras de comercialização. Os perfis são também aplicáveis nas situações de anomalias de medição ou de leitura. Os valores dos perfis são estimados para cada período quarto-horário e correspondem à proporção, consoante o caso, do consumo ou da injeção anual, atribuída a cada um desses períodos". 

Foram também aprovadas esta terça-feira as regras de apuramento e imputação do fator de adequação. O fator de adequadação das carteiras de comercialização do setor elétrico reparte, em cada período quarto-horário, as diferenças entre a energia participante em mercado e as energias - medidas nos pontos de entrega e acrescidas de perdas nas redes -, afetas aos vários comercializadores. "É, assim, através do fator de adequação que se integram no modelo de apuramento do consumo dessas carteiras, as diferenças entre o consumo estimado e perfilado e o consumo real, bem como as diferenças entre os fatores de perdas aplicáveis e as perdas reais (técnicas e comerciais)".

A ERSE aprovou ainda esta terça-feira as metodologia de construção de perfis de perdas na rede de transporte do setor elétrico, para estimação de perfis de consumo de gás e de construção de perfis de perdas nas redes de distribuição no setor elétrico.

Por fim, foi ainda aprovado pelo regulador a segunda alteração ao Manual de Procedimentos da Gestão Técnica Global do Sistema Nacional de Gás, aditando cinco novos procedimentos.

Topo
Este site utiliza cookies da Google para disponibilizar os respetivos serviços e para analisar o tráfego. O seu endereço IP e agente do utilizador são partilhados com a Google, bem como o desempenho e a métrica de segurança, para assegurar a qualidade do serviço, gerar as estatísticas de utilização e detetar e resolver abusos de endereço.