Nova proposta compatibiliza pesca e eólicas no mar em Caminha e Viana do Castelo

Nova proposta compatibiliza pesca e eólicas no mar em Caminha e Viana do Castelo

O presidente da Câmara de Caminha disse esta quinta-feira que a Direção-Geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos está a trabalhar numa nova proposta para a exploração de energias renováveis no mar que compatibiliza o projeto com a pesca.

“O diretor-geral da DGRM deu abertura para uma reconfiguração, alteração ao polígono que, inicialmente, foi a discussão pública. Disse que não é um documento fechado, que ainda há margem para trabalhar, estabelecendo linhas de diálogo com as autarquias e as associações de pescadores”, afirmou Rui Lages.

Contactado pela agência Lusa, a propósito de uma sessão de esclarecimento sobre o Plano de Afetação para Energias Renováveis ‘Offshore’, que decorreu esta quinta-feira em Caminha com a participação do diretor-geral de Recursos Naturais, Segurança e Serviços Marítimos, José Simão, o autarca socialista adiantou estar previsto que “as torres eólicas que integrarão os futuros parques ‘offshore’ sejam instaladas com um distanciamento, entre elas, de cerca de um quilómetro”.

“O diretor-geral deixou bem claro que a proposta preliminar que prevê a criação de cinco áreas de exploração de energias renováveis no mar pode sofrer alterações para que as duas atividades possam ser compatibilizadas, minimizando os prejuízos à atividade piscatória”, referiu Rui Lages.

Em causa está a proposta preliminar do grupo de trabalho constituído pelo Governo para definir áreas situadas ao largo de Viana do Castelo, Leixões, Figueira da Foz, Ericeira - Cascais e Sines para a implantação de parques eólicos ‘offshore’, sendo que os leilões para 10 gigawatts serão lançados, de forma faseada, até 2030.

O projeto para a criação de cinco áreas de exploração de energias renováveis no mar esteve em consulta entre 30 de janeiro e o dia 10 de março.

No distrito de Viana do Castelo, o projeto abrange uma área de 663 quilómetros quadrados.

Segundo o autarca socialista na sessão de esclarecimento, onde marcaram presença cerca de três dezenas de pescadores de Valença, Caminha, Viana do Castelo e Esposende, no distrito de Braga, José Simão explicou que a DGRM é responsável pela proposta final do projeto que deverá entrar em fase de discussão no final do próximo verão.

“Os pescadores demonstraram que não estão contra as energias renováveis, mas que é preciso compatibilizar os dois interesses. O de ser produzida energia limpa, mas também os interesses económicos da pesca”, disse Rui Lages, adiantando que na sessão de esclarecimento também esteve presente o presidente da Câmara de Viana do Castelo, Luís Nobre.

Rui Lages acrescentou que o diretor-geral da DGRM garantiu que “serão feitos estudos para aferir os impactos ambientais, socioeconómicos” do projeto “para depois perceber de que forma podem ser solucionados esses impactos”.

O autarca de Caminha disse ainda que numa reunião que manteve com José Simão, o responsável da DGRM garantiu que a “ainda este verão” arrancará a operação de dragagem do portinho de Vila Praia de Âncora.

A empreitada integra o plano plurianual de dragagens dos portos do Norte, no valor de 4,12 milhões de euros, que contempla outros portos nacionais.

O “plano foi confirmado em julho de 2021 pelo então Ministro do Mar, Ricardo Serrão Santos, em visita a Vila Praia de Âncora, dois meses depois de ter assumido o compromisso de que seriam realizadas dragagens regulares no portinho, até que seja encontrada uma solução estrutural”.

Rui Lages anunciou ainda que “dentro de algumas semanas” terá em mãos o estudo de reconfiguração do portinho de pesca de Vila Praia de Âncora, um objetivo antigo dos pescadores e do município”.

“O estudo contempla três propostas e, teremos de optar pela que melhore se adeque às necessidades, numa decisão que será tomada em parceria entre a Câmara, a associação de pescadores e a DGRM”, especificou.

O “objetivo do trabalho entregue aos especialistas é propor uma nova configuração para o porto de Vila Praia Âncora de forma a minimizar as condições de assoreamento, reduzir substancialmente as necessidades de dragagem de manutenção, e, sobretudo, melhorar as condições de segurança para as embarcações no acesso ao porto”.

Topo
Este site utiliza cookies da Google para disponibilizar os respetivos serviços e para analisar o tráfego. O seu endereço IP e agente do utilizador são partilhados com a Google, bem como o desempenho e a métrica de segurança, para assegurar a qualidade do serviço, gerar as estatísticas de utilização e detetar e resolver abusos de endereço.